Santo Antônio da Platina (PR) - 14/09/2016

Plano para recuperação de área de pedreira já foi entregue

O Plano de Recuperação de Área Degradada (PRAD), do Morro do Macaco, em Santo Antônio da Platina (PR), já foi concluído e entregue pela DRZ. O documento traz as diretrizes técnicas para recuperação do local que tem área total de 68.281 m², parte dela utilizada para exploração de cascalho.  Foram definidas ações para recuperação da área explorada e para a área que ainda possui vegetação nativa e deve ser preservada. Estas ações deverão ser implementadas ao longo de 12 anos, exigindo investimento de R$ 479.290,87.

Apenas 37% da área total, que corresponde ao cume do morro, ainda possui vegetação nativa e não foi utilizada para exploração de cascalho.  De acordo com a analista ambiental da DRZ Aila Theodoro, a proposta apresentada no PRAD para esta área é de ações de preservação da mata nativa, para evitar o desmoronamento do morro com a exploração do cascalho.  Entre estas ações estão construção de muro de Gabião e o plantio de mudas de diversas espécies.

Para a área com possibilidade de exploração as ações propostas são: regularização da área (licença ambiental) e a implantação de sistema de exploração através de talude. Ao encerrar a exploração do primeiro talude, é feita a recuperação deste e inicia-se a exploração de outro talude e assim sucessivamente.  “Ao fazer a recuperação de uma parte da a área explorada (talude), deve-se fazer um acompanhamento para verificar a regeneração dela”, explica Aila Theodoro.  A área total do Morro do Macaco também deverá ser isolada e cercada, para que apenas a Prefeitura e empresas autorizadas tenham acesso.

O gestor da DRZ, arquiteto e urbanista, Agenor Martins Junior, explica que o PRAD traz no cronograma físico-financeiro, as despesas com a execução dos serviços e restauração da área, detalhadas anualmente.  “O cronograma permite que os administradores saibam exatamente quanto vão gastar e em qual período, evitando despesas imprevistas.”

MAIS NOTÍCIAS