Caso não esteja visualizando corretamente esta mensagem, acesse este link.
Se não deseja mais receber este informativo, envie um e-mail para news@drz.com.br com o assunto "cancelar news".
Março 2016
Por que seu município precisa de Plano Diretor de Macrodrenagem

A equipe DRZ está elaborando o Plano Diretor de Macrodrenagem de Paraibuna (SP), um dos quesitos para que os municípios tenham um sistema de drenagem eficiente e enfrentem ocorrências de enchentes, alagamentos e inundações, cada vez mais intensas e frequentes nas grandes cidades, principalmente.  “O Plano vai servir de subsídio para orientar a legislação local de desenvolvimento urbano de uso e ocupação do solo para promover a gestão sustentável da drenagem urbana”, afirma o prefeito, Antônio Marcos de Barros.

O processo de urbanização desordenado e sem planejamento vem intensificando estas ocorrências, nas últimas décadas, com o espaço destinado ao armazenamento das águas passando a ser todo ocupado pela urbanização, gerando a impermeabilização do solo.  Soma-se a este comportamento a prática de canalizações inadequadas dos rios e córregos e está criado um cenário de inundações.

 “Para enfrentar esta realidade é preciso um conjunto de ações que passam pela desocupação de áreas de risco, criação de reservas florestais nas margens dos rios, diminuição dos índices de poluição e geração de lixo, planejamento urbano mais consistente e, claro, construção de sistemas eficientes de drenagem”, alerta o diretor-presidente da DRZ, Agostinho de Rezende.  

"No processo de urbanização, o sistema de drenagem vem sendo tratado de forma precária", diz o diretor-presidente da DRZ, Agostinho de Rezende

“O nosso foco aqui é a drenagem urbana, que no processo de urbanização vem sendo esquecida ou tratada de forma precária.” A administração atual de Paraibuna está avançando neste ponto ao buscar soluções para a macrodrenagem, que é um conjunto de obras para melhorar o escoamento final das águas drenadas das bacias hidrográficas através da microdrenagem e, desta forma, diminuir os problemas com erosão, assoreamento e inundações.  Na busca destas soluções é imprescindível a elaboração do Plano Diretor de Macrodrenagem, associado à legislação de zoneamento e a educação ambiental com ênfase na hidrologia urbana.

“Com o Plano Diretor de Macrodrenagem é possível ter um diagnóstico de problemas hidráulicos já existentes ou previstos em horizontes de projeto (horizontes de curto, médio e longo prazo), e dessa forma apontar dos pontos de vista técnico, econômico e ambiental as melhores soluções”, diz Rezende. “Assim, a Prefeitura tem o instrumento para norteá-la no planejamento do uso e ocupação do solo urbano e na criação de uma gestão sustentável da drenagem urbana.”

Na elaboração do Plano, o diretor-presidente da DRZ ressalta ainda a importância das geotecnologias. “Os Sistemas de Informações Geográficas (SIG) para a criação e a atualização de bancos de dados georreferenciados são essenciais para estudos, diagnósticos e monitoramento dos perímetros urbanizados das bacias hidrográficas. É preciso ter todos os dados das bacias especializados.”