Preservação das bacias hidrográficas

As atividades relacionadas ao saneamento ambiental dos municípios contribuem, significativamente, para a melhoria das condições sanitárias nas bacias hidrográficas, impactando diretamente sobre a qualidade de vida e a saúde pública da população. Por isso, os Comitês de Bacias Hidrográficas (CBH) vêm investindo milhões de reais provenientes de recursos de cobrança do uso das águas na construção de Planos e Projetos de saneamento básico de vários municípios que compõem as bacias. Nos últimos anos, a DRZ foi contratada, por meio de licitação, pelas agências de bacias hidrográficas AGB Peixe Vivo (MG), ABHA (MG),  AGEVAP (MG) e AGEVAP (RJ) para elaborar planos de saneamento básico de 40 municípios; 14 destes Planos serão entregues oficialmente dia 31 de março, em evento da ABHA.  O presidente do Comitê da Bacia Hidrográfica (CBH) do Araguari, Antônio Giacomini Ribeiro, e o diretor-técnico da AGB Peixe Vivo, Alberto Simon Schvartzman, conversaram com a reportagem da DRZ sobre a importância desta iniciativa dos Comitês.

“Os Planos e Projetos de Saneamento dos Municípios podem racionalizar a demanda de água “nova”, reduzir as perdas nos sistemas de abastecimento existentes e reduzir a poluição nas áreas urbanas e rurais”, diz Schvartzman. Por isso, a AGB Peixe Vivo tem contratado, desde 2013, a elaboração de uma série de Planos Municipais de Saneamento. “Queremos possibilitar às prefeituras o acesso aos recursos financeiros públicos para a implementação das ações previstas no Plano para a melhoria dos serviços de água, esgoto, drenagem e resíduos sólidos, que impactam nas águas das bacias.”

O CBH do Araguari financiou a elaboração dos Planos de Saneamento de 14 dos 20 municípios que compõem a bacia e que ainda não tinham o documento. A DRZ faz a entrega oficial dia 31 de março. A qualidade da água da bacia é o foco do Comitê. “Temos sub bacias, por exemplo, que utilizam a água para irrigação e com o lançamento de esgoto in natura de alguns municípios isto não é possível. Deixam de produzir toneladas de alimentos, além dos prejuízos ambientais e ecológicos, como mortandade de peixes”, diz Giacomini.

Ele explica que as informações dos Planos de Saneamento serão inseridas no Plano Diretor da Bacia Hidrográfica do Araguari, que está em fase de revisão. “Assim, poderemos utilizar nossos recursos para realizar as ações previstas no Plano”, diz Giacomini. “Claro que nosso orçamento não é suficiente para obras, mas elaboramos os projetos das obras necessárias para as sub bacias mais críticas e, em parceria com os municípios, iremos buscar recursos para execução delas junto à FUNASA, Ministério das Cidades.” A elaboração dos Planos é apenas o primeiro passo. Agora os Comitês irão cobrar dos municípios a sua implementação. Giacomini afirma que o CBH de Araguari irá manter um funcionário exclusivamente para fazer a fiscalização desta etapa. “Vamos chamar todos à responsabilidade e temos conosco o Ministério Público que tem um papel chave nesta etapa, pois fiscaliza o dinheiro público que não podemos gastar em vão.”